O QUE É A PAZ? Reflexão


Anos mais tarde, aproximando-se o martírio no Calvário, segundo João, em 14-27, JESUS reuniu seus apóstolos e lhes disse: “Deixo-vos a paz, minha paz vos dou. Não vo-la dou como o mundo a dá. Não se perturbe nem se intimide vosso coração”.
Antes de refletir sobre a paz de Jesus, registro apenas alguns dos inúmeros significados e empregos da palavra paz, palavra essa que carreia suavidade em si mesma:
1. Ausência de lutas, violências ou perturbações sociais; tranquilidade pública; concórdia; harmonia.
2. Ausência de conflitos íntimos, ou entre pessoas; bom entendimento.
3. Repouso; silêncio; sossego.
4. Cessação de hostilidades.
Fazer as pazes: reconciliar-se; tranquilidade de alma; “alma em paz”: pessoa consciente de ter cumprido o dever.
(Novo Dicionário Básico da Língua Portuguesa, FOLHA/AURÉLIO,pág.489, Folha de S.Paulo, 1995.)


Para falar da paz de Jesus é bom lembrar que antes da sublime visita do Mestre neste planeta, como homem, encarnado, povos antigos, muitos se expressando em Latim, preocupados com a paz, proclamavam:

“Si vis pacem, para bellum” = Se queres a paz, prepara a guerra.
Isso significava que para viver em paz, a pessoa ou a nação, deveriam estar armados como se fossem entrar em guerra. No fundo, no fundo, o pensamento é de que, se mostrassem possuir mais força, desencorajariam agressores mais fracos.
Outro conceito é o de que a morte dá paz e assim é que também vem da antiguidade a expressão dos textos litúrgicos, referentes à missa dos mortos e das encomendações dos defuntos:
“Requiescat in pace” = Descanse em paz!
Jesus, recomendando o perdão, implodiu o conceito do “olho por olho” que Moisés cristalizou, segundo o qual, para obter a paz era permitido ao agredido eliminar o agressor.
Hoje, com o domínio da energia atômica por vários países, o mundo vivencia a “paz compulsória”, imposta pela certeza de que se um dos países do clube atômico lançar uma bomba atômica em outro país também sócio desse clube, não haverá vencedor. A retaliação eliminará ambos do mapa mundial, e por extensão... Praticamente a Humanidade toda...
Jamais qualquer guerra trouxe a paz. Ficam sequelas, que o tempo não apaga. E aí surgem as perguntas: onde encontrar a paz? Onde buscar a paz?
De início, em nós mesmos, pela observância das Leis Divinas.
Para mim, a fonte mais viável e sublime da paz é praticar os conselhos de Jesus, de forma específica aquele que recomenda o Amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.
Ressalto que sobre a paz há tantos pronunciamentos no Antigo Testamento e em particular no Novo, além de expressivo número na literatura espírita, que seria impraticável citá-los aqui. Não foi, pois, sem razão que os Profetas, e com ênfase Jesus, tanto a enalteceram.
Aliás, já quando Jesus nasceu o Anjo do Senhor apareceu a pastores das regiões próximas da abençoada estrebaria e anunciaram: Glória a Deus no mais alto dos Céus e paz na Terra aos homens que ele ama! (Lucas 2-14).
Possuir a paz requer a aquisição e prática permanente de virtudes possíveis a todos, em qualquer tempo, com realce à tolerância... Paz que é fruto da transformação moral e do combate às más inclinações, como asseverou Allan Kardec no item quatro do Cap. 17, de O Evangelho Segundo o Espiritismo.
Reduzindo os termos: a posse da paz é uma construção individual, Espírito a Espírito, dia a dia, que exige um “homem novo” no lugar do “homem velho” — autorreforma.
Na Mansão da Paz, alvo de ataques das sombras, o Instrutor Druso leciona que “a paz não é conquista da inércia, mas sim fruto do equilíbrio entre a fé no poder divino e a confiança em nós mesmos, no serviço pela vitória do bem”. (Livro Ação e Reação, André Luiz/Psicografia de F.C.Xavier, Cap.3, pg.38, 5ªEd., 1976, FEB, RJ/RJ.)
Não deixo de citar o aparente paradoxo de haver o Cristo declarado que não viera trazer a paz, mas sim a espada (Mateus 10-34), aludindo guerra em família: obviamente não se referia a conflitos físicos (duelos), mas à vivência difícil junto aos parentes. Difícil também não só com eles...
A espada a que Jesus se referia é aquela, cujo detentor, simbolicamente em ação própria, corta o egoísmo, o orgulho, a vaidade, a vingança.
Tenho como bem clara a intenção de Jesus quando proclamou: “É preferível ganhar o Céu, mesmo que para isso o homem venha a perder a Terra”. Os apóstolos deram testemunho disso, os mártires também são exemplo dessa “perda da Terra”. Hoje, não precisamos mais sermos trucidados em arenas por feras. Aliás, foi o próprio Mestre que no abençoado Sermão do Monte, referindo-se às bem-aventuranças, disse à multidão: Bem-aventurados os pacíficos porque serão chamados filhos de Deus.
Recomendando a doçura e a afabilidade, o Cristo ensinou o roteiro que leva o Espírito “a ganhar o Céu” (o Reino de Deus), pleno de paz.
Por toda parte a doutrina de Jesus ensina que para o homem encontrar a paz é necessário que proceda sempre com mansuetude, com tolerância, com afabilidade, perdoando “setenta vezes sete vezes”.
Finalizando:
A paz de Jesus é pulsante, é luz sem sombra e movimento harmônico de corações. É o Amor. E Deus é Amor! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A evolução espiritual nos mundos materiais e os profetas por RAMATIS

A VISÃO ESPÍRITA DA FAMÍLIA

ESPÍRITOS BARULHENTOS estudo da REVISTA ESPÍRITA de 1859