O USO DE TALISMÃS POR RAMATIS

🔺Sociedade dos Espíritos
#Ramatis


PERGUNTA:  Achamos que é crendice ou superstição certas pessoas usarem um pequeno frasco de mercúrio como amuleto ou talismã contra maus fluidos!
RAMATÍS:  Sem dúvida, um singelo frasco de mercúrio junto ao corpo é de pouca eficiência, caso o seu portador continue a produzir maus pensamentos e sentimentos ruinosos ao próximo! 1 Conforme a lei de que "os semelhantes atraem os semelhantes", os maus pensamentos atraem maus pensamentos. No entanto, os antigos magos não eram apenas cientistas conhecedores de todas as leis e forças do mundo oculto, mas seriam ótimos psicólogos e psiquiatras na atualidade. Os seus talismãs e amuletos funcionavam como verdadeiros acumuladores de forças magnéticas, não só imunizando o campo áurico do indivíduo, como ainda captavam ou dispersavam os fluidos projeta- dos contra o perispírito humano. A pessoa convicta de possuir poderoso amuleto, que a livrava das ofensas fluídicas inimigas, também se revigorava psiquicamente, tal qual o homem moderno sente-se mais seguro, quando atravessa região inóspita, de arma à cinta!
1 - Como a homeopatia é um campo de energia dinamizada de certa substância, erva ou tóxico, os médicos homeopatas têm observado que se curam mais rapidamente as pessoas que costumam carregar junto ao corpo as doses em uso. Aliás, todas as coisas e seres produzem eflúvios e ondas eletromagnéticas havendo combinações salutares ou enfermiças, o que nos induz a pesquisar atentamente a propalada "superstição

PERGUNTA: - Mas existe algo de extraordinário no mercúrio que o torne um dos amuletos mais comuns?
RAMATÍS:  O mercúrio sempre foi considerado um metal de extraordinária afinidade com o homem, pois acusa facilmente, aos psicômetros e radiestesistas, as diversas variações na circulação do éter-físico, através do duplo etérico, o qual relaciona o perispírito com o corpo físico.
Era considerado pelos magos antigos um metal que catalisa o prana ou a "força viva" dos corpos, para o crescimento e a maturidade, agindo pelo corpo etérico dos vegetais e minerais. Ademais, a sua composição química é fortemente influenciável pela força gravitacional da Lua e pelos eflúvios astralinos dos orbes mais próximos da Terra. É o único metal líquido à temperatura ordinária e que se dilata com absoluta regularidade; é o único dissolvente físico de metais formando . ligas ou amalgamas com a maioria deles. Em dispersão coloidal, era empregado desde a Idade Média na forma de pomada contra as doenças da pele e parasitárias, isto é, enfermidades predominantemente de origem miasmática, psíquicas e próprias do descenso vibratório de germens ocultos do mundo astralino! A peculiar constituição física do mercúrio, como "intermediário" entre o estado líquido e sólido, lembra perfeitamente a importante função do duplo etérico humano, que une o mundo oculto através do perispírito ao mundo material do corpo carnal! Assim como o duplo etérico exerce a sua ação exatamente no limiar onde termina o mundo espiritual e principia o mundo material, o mercúrio age também na fronteira do reino líquido e do reino sólido!
Não é apenas um metal extraordinariamente sensível à pressão barométrica e à temperatura, utilíssimo para a confecção de barômetros, termômetros e manômetros; mas os antigos já o usavam magneticamente preparado para assinalar as variações do éter humano e a natureza das projeções mentais e emotivas alheias. 2 O próprio nome do mercúrio, originário do latim, quer dizer "mensageiro dos deuses"! Há, portanto, muita lógica e procedência no seu uso peculiar, como um dos mais sensíveis barômetros e amuletos de registro das manifestações dos campos magnéticos da vida oculta.
2 - No reino vegetal, a arruda possui qualidades algo semelhantes ao mercúrio, quando funciona à guisa de um "barômetro vegetal", revivescendo na sua cor e aspecto sadio, quando sob bons fluidos, e amarelecendo sob os fluidos ruins.


Ramatís – Magia de Redenção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A evolução espiritual nos mundos materiais e os profetas por RAMATIS

A VISÃO ESPÍRITA DA FAMÍLIA

ESPÍRITOS BARULHENTOS estudo da REVISTA ESPÍRITA de 1859