FALANDO DE UMBANDA: O PASSE BIOENERGÉTICO

🔺
🔺
#Umbanda



É comum nos centros de Umbanda e em certos centros espíritas não ortodoxos, presenciarmos às limpezas energéticas feitas com as ervas de poder absorvedor pelos caboclos e índios.
Dentro deste campo vibracional vamos encontrar os espíritos que se manifestam na roupagem de caboclos e índios se utilizando também da contraparte ou parte etérea da planta para no que denominamos de "passe bioenergético" (pratica do magnetismo humano associado ao magnetismo das ervas e plantas) realizar também a limpeza energética denominada "batimento de ervas" através do passe misto onde atua espírito e médium juntos.
É comum no dia-a-dia o ser humano se contaminar com vibrações mentais descontroladas que se encontram na atmosfera psíquica da terra. Mesmo com o uso da prece e de campos de força, não conseguimos vigiar nossos pensamentos às 24h do dia. O passe bioenergético funciona como uma limpeza mais profunda destas energias tóxicas e ao mesmo tempo equilibra a movimentação de energia nos chacras.
Os caboclos ou índios que são espíritos mais especializados com o trato destas energias além dos pais e mães velhos, baianos e crianças, trabalham junto ao psiquismo do médium incorporados ou não nos centros de Umbanda auxiliando no equilíbrio de seus médiuns e consulentes.
Ainda o passe bioenergético pode ser aplicado em casas, centros, locais de trabalhos de acordo com a orientação espiritual dada por entidades sérias e a necessidade que se faz presente.

As ervas também são usadas na forma de ramas e galhos que são "batidos" nos consulentes, com o objetivo de desprender as cargas negativas e larvas astrais que possam estar aderidos a estes. Quando feito pelos médiuns incorporados, geralmente com os caboclos, o movimento em cruz na frente, costas, lado direito e lado esquerdo, associado aos cânticos, aos silvos e assobios através da magia do sopro e do som, que criam verdadeiros mantras etéreos-astrais, que são poderosos desagregadores de fluídos, consagra-se potentes campos de forças curadores. As folhas depois de usadas devem ser partidas e despachadas junto a algum lugar de vibração da natureza virginal, de preferência direto sobre o solo, sem acendermos velas dispensando-se a necessidade de quaisquer elementos poluidores. No impedimento de assim se proceder, coisa comum nos centros urbanos onde se localizam a maioria dos terreiros, simplesmente deve-se recolher adequadamente para a posterior coleta pública do lixo.

Texto de Sociedade dos Espíritos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A evolução espiritual nos mundos materiais e os profetas por RAMATIS

A VISÃO ESPÍRITA DA FAMÍLIA

ESPÍRITOS BARULHENTOS estudo da REVISTA ESPÍRITA de 1859