PARACELSO e os ELEMENTAIS DA NATUREZA - Parte I

🔺
#Paracelso


Para o célebre alquimista medieval Paracelso, da mesma maneira que a natureza visível é habitada por um número infinito de seres, a contraparte invisível e espiritual da natureza é habitada por um a hoste de seres peculiares - aos quais ele deu o nome de elementais e que posteriormente foram chamados espíritos da natureza.

Paracelso dividiu essa população dos elementos em quatro grupos distintos: gnomos (habitantes do aspecto energético da terra), ondinas (habitantes do aspecto energético da água), silfos (habitantes do ar) e salamandras (do fogo). Ele afirmava que eram criaturas realmente vivas, muito semelhantes ao ser humano na forma, e que habitavam seus próprios mundos, invisíveis para nós porque os sentidos subdesenvolvidos, degenerados, dos homens eram incapazes de funcionar para além das limitações dos elementos mais densos.

De acordo com Paracelso, os elementais não seriam nem criaturas espirituais nem materiais, embora compostos de uma substância que pode ser chamada de Éter. Em suma, esses seres ocupariam um lugar entre os homens e os espíritos. Por essa razão também não seriam imortais, mas quando morressem simplesmente se desintegrariam, voltando ao elemento do qual originalmente tinham se individualizado. Segundo ele, os elementais compostos do éter terrestre são os que vivem menos; os do ar, os que vivem mais. A duração média de vida fica entre os 300 e 1.000 anos. Muitos afirmam erroneamente que tais criaturas sejam incapazes de desenvolvimento espiritual. Já na doutrina gnóstica se diz que dentro de cada elemental, não importa seu grau evolutivo dentro do Raio Elemental, possui uma Essência Espiritual, uma Chispa Divina, tão divina quanto a Essência humana.

As civilizações da Grécia, de Roma, do Egito, da China e da Índia acreditavam implicitamente em sátiros, espíritos e duendes. Elas povoavam o mar com sereias, os rios e as fontes com ninfas, o ar com fadas, o fogo com lares e penates, a terra com faunos, dríades e hamadríades. Esses espíritos da natureza eram tidos em alta conta, e a eles eram dedicadas oferendas. Ocasionalmente, dependendo das condições atmosféricas ou da sensibilidade do devoto, eles se tornam visíveis. Bom número de autoridades é de opinião que muitos dos deuses cultuados pelos pagãos eram na verdade esses habitantes dos reinos mais sutis da natureza, pois acreditava-se que muitos desses invisíveis eram de estatura imponente e maneiras majestosas. Os gregos chamavam alguns desses elementais de daemon, especialmente os das ordens mais altas, e os cultuavam.


Introdução ao Mundo dos Elementais    

Em sânscrito, Deva significa "Ser Brilhante". Essa palavra deu origem ao termo Deus, Divindade. Devas são os seres elementais evoluídos encarregados da dinamização de grandes áreas como: mares, florestas, cadeias de montanhas, grandes árvores, tendo a seu encargo a instrução de seres menores no trabalho da natureza. No Ocidente são chamados de Anjos Elementais ou Regentes da Natureza.
Segundo os místicos e sensitivos os Elementais são constituídos de uma matéria luminosa etérea (um tênue material autoluminoso) e sua forma se apresenta semelhante à humana. As  variações de sua consciência evolutiva , produzem mudanças na coloração e luminosidade e até interfere na sua própria forma. 


Elementais da Terra

São os Gnomos (responsáveis pelo reino mineral ) e Duendes (responsáveis pelo reino vegetal ).
O domicílio dos elementais da terra são as matas fechadas, rochas e ás margens das lagoas. Como os seus corpos são feitos de substância etérea fina. Geralmente possuem suas moradias dentro da terra, próximas à superfície. Vivem em casas e devido á sua constituição etérea têm a faculdade de atravessar árvores , rochas , portas e janelas fechadas.
Cuidam com carinho das flores e plantas, árvores e arbustos alegrando-se a cada flor que desabrocha. O tamanho dos gnomos varia entre 40 e 100 centímetros. Sua aparência assemelha-se muito à dos humanos mais rústicos. Eles adoram, como todos os seres da natureza, imitar os afazeres dos humanos.

Alguns dos Regentes supremos deste Reino Etérico da Terra são: Gob, Arbarman, Kitichi, Brahma.




Elementais da Água

Ondinas (do mar e da água doce), Ninfas (da Água doce) , Sereias e Tritões (do alto-mar).
Ondinas: Vivem nos riachos, nas fontes, no orvalho das folhas próximo a lagoas e nos pingos de chuva. Trabalham na água doce e salgada . Têm o poder de retirar das águas a energia que lhe dá luminosidade, o que permite ao homem, por muitas vezes, percebê-los em forma de um leve "facho de luz" sobre a superfície da água.
Sereias: São elementais conhecidos como metade mulher e metade peixe, desde os tempos antigos correm lendas de que têm o poder de encantar e hipnotizar o homem com seu canto. Trabalham nas profundezas dos mares e oceanos e vêm à sua superfície quase sempre.
Ninfas:- São elementais que se assemelham às ondinas, porém um pouco menores, e têm seu hábitat nas águas doces. Apresentam-se geralmente com tons azulados e, assim, as ondinas emitem luminosidade. A diferença básica entre uma e outra encontra-se na docilidade e beleza das ninfas, que parecem "voar" levitando sobre as águas em um balé singular.

Alguns dos Regentes Elementais são: Nicksa, Varuna, Narayana. 


Continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A evolução espiritual nos mundos materiais e os profetas por RAMATIS

A VISÃO ESPÍRITA DA FAMÍLIA

ESPÍRITOS BARULHENTOS estudo da REVISTA ESPÍRITA de 1859