NOVO ESTUDO COM MÉDIUNS OBTÉM FORTÍSSIMAS EVIDÊNCIAS DA SOBREVIVÊNCIA DA ALMA


🔺
#Mediunidade


 Na Universidade do Arizona, Estados Unidos, dois cientistas utilizaram um novo e excelente protocolo de pesquisa com médiuns – o método triplo-cego - obtendo resultados positivos, que se constituem em fortíssima evidência da sobrevivência da alma. Os cientistas foram: o Doutor pela Universidade de Harvard Gary Schwartz, onde foi professor por cinco anos. Também foi professor pela Universidade Yale, nas áreas de Psiquiatria e Psicologia, e diretor do Centro de Psicofisiologia e codiretor da Clínica de Medicina Comportamental de Yale; A Dra Julie Beischel, bacharel em Ciências Ambientais pela Universidade do Norte do Arizona e doutorado em Farmacologia e Toxicologia, com especialização em Microbiologia e Imunologia pela Universidade do Arizona). 
A pesquisa foi publicada na revista Explorer em 2007. O método utilizado visa eliminar as explicações convencionais, muito utilizadas pelos céticos, para as informações que os médiuns conseguem obter dos Espíritos desencarnados, como a leitura a frio e a pesquisa prévia sobre o desencarnado, bem como a telepatia.
            A leitura a frio é um método, utilizado por falsos médiuns, para extrair informações de alguém que deseja entrar em contato com um falecido querido. Trata-se de observar essa pessoa desavisada, suas reações fisionômicas, corporais e respostas a perguntas e/ou afirmações feitas pelo falso médium que, assim, com grande habilidade, extrai dela informações sobre o desencarnado, dando a impressão de que realmente entrou em contato com o mesmo.
            Na pesquisa prévia sobre o desencarnado, o falso médium, sabendo quem vai consultá-lo, procura pesquisar sobre pessoas falecidas próximas a essa pessoa, para, na hora da consulta, dar a impressão de que está se comunicando com o falecido.  
            No caso da hipótese do uso da telepatia, as comunicações com Espíritos desencarnados, na verdade, nada mais seriam do que uma simulação insconsciente do médium, que seria capaz de obter informações do falecido lendo a mente da pessoa que lhe procurou para conseguir o contato mediúnico.

            Participaram do experimento:

            Oito médiuns adultos (um homem e sete mulheres) que demonstraram, no passado, ter capacidade de obter informações precisas dos falecidos em condições mediúnicas "normais", isto é, com a pessoa que deseja o contato em sua presença;

            Estudantes da Universidade do Arizona participaram do experimento formando dois grupos: um grupo de voluntários sitters (pessoas que tinham um relacionamento muito próximo com uma pessoa falecida) e outro de assistentes de pesquisa.
           
            Cada assistente foi escolhido, a fim de otimizar as condições de teste, a partir de um conjunto de cerca de 1.600 estudantes, baseando-se esta escolha em respostas "sim" ou  "inseguro" a um questionário prévio,  para examinar suas crenças sobre a "vida após a morte" e médiuns, bem como seu interesse em participar de uma pesquisa sobre mediunidade. Cada participante sitter também classificou seu relacionamento com um desencarnado específico como "muito próximo".

            A seleção final dos oito alunos de graduação (três homens e cinco mulheres), para a inclusão no estudo como participantes sitters, foi com base nos critérios acima, bem como o par de desencarnados descritos abaixo.

            As informações sobre cada desencarnado e seu relacionamento com o voluntário sitter associado foram coletadas dos participantes sitter por um assistente de pesquisa que não interage com os médiuns.

As descrições dos desencarnados foram emparelhadas para destacar diferenças de idade, descrição física, a descrição da personalidade, causa de morte, e hobbies / atividades do desencarnado. Quatro desencarnados foram pareados com outros quatro do mesmo sexo para um total de quatro pares de assistentes. É importante notar que neste procedimento (a) o avaliador (aquele que vai avaliar se o que foi dito pelo médium corresponde à realidade) é mantido em cegueira por sorteio dos desencarnados do mesmo sexo, enquanto (b) otimiza a capacidade dos avaliadores cegos de diferenciar entre duas leituras pareadas por sexo durante a pontuação.

Leituras dos médiuns sobre os desencarnados

Cada um dos oito médiuns realizou duas leituras sobre os desencarnados: uma para cada voluntário sitter em um par. Cada um dos quatro pares de assistentes foi lido por dois diferentes médiuns, gerando um total de oito pares de leituras. Veja a figura abaixo:



Os médiuns não receberam nenhuma informação sobre o voluntário sitter ou sua relação com o desencarnado. No entanto, para aumentar a capacidade do médium de receber informações precisas sobre um alvo desencarnado, o primeiro nome do desencarnado foi dado ao médium no início da leitura.
Para cada uma das leituras, um experimentador cego para a identidade dos assistentes e para qualquer informação sobre os desencarnados, além de seus primeiros nomes, atuou como assistente substituto para os alunos. Assistentes substitutos são utilizados para (a) imitar as práticas de leitura com as quais os médiuns se sentem confortáveis (ou seja , com um sitter presente ou no telefone) , a fim de otimizar as condições de leitura , enquanto (b) cegando o médium a sugestões do sitter e (c) a cegueira do sitter ausente à leitura até a pontuação. Neste estudo, o assistente substituto do sitter também fez perguntas aos médiuns durante as seções do protocolo de leitura (ver abaixo).
Os assistentes de alunos ausentes não ouviram as leituras e não tinham conhecimento da origem de qualquer leitura durante a pontuação.
Para otimizar as condições de teste, os médiuns realizaram leituras por telefone em horários programados em suas casas.
As leituras de telefone, gravadas em áudio digital, ocorreram à longa distância; o médium estava em uma cidade diferente tanto da do voluntário sitter ausente cego e a atuação experimentador como o assistente substituto.
Cada leitura sobre o desencarnado incluiu três partes: a) dirigida ao falecido, na qual o experimentador deu ao médium o primeiro nome do desencarnado e pediu ao médium para receber e comunicar quaisquer informações do desencarnado, b) um procedimento de questões da vida , em que se fez ao médium quatro perguntas específicas sobre o aparência física do desencarnado, personalidade, passatempos, e a causa da morte , e c)  Pergunta Reversa , em que o experimentador perguntou: " Será que o desencarnado tem quaisquer comentários, perguntas ou pedidos para o voluntário sitter ? "

Pontuação das leituras obtidas

Cada leitura foi transcrita e uma lista numerada de itens individuais correspondentes (isto é, peças de informação isoladas) foi criada por um experimentador cego para detalhes sobre os sitters ou desencarnados.
Cada assistente em um par agiu como um controle combinado para o outro sitter (o que não foi substituído por ele durante a leitura) no par: cada assistente marcou a leitura pretendida para ele, bem como a leitura do sitter controle, permanecendo cegos para a origem das leituras.
 Os sitters foram treinados no procedimento de pontuação e marcaram as listas de itens de precisão [Obviamente serve; serve com leve, moderada ou grande necessidade de Interpretação; Não serve; serve para outro ("Este item não se ajusta ao desencarnado nomeado ou a mim mesmo, mas se encaixa com alguém de quem eu estava perto"), ou "Eu não sei"] e significado emocional (Sem importância ou significado leve, moderado ou extremo) Os avaliadores que escolheram "serve com Interpretação" ou "serve para outro" foram convidados a escrever uma explicação. Os sitters também atribuíram a cada lista de itens uma pontuação (0-6), conforme abaixo:

6: Excelente leitura, incluindo fortes aspectos da comunicação, e com praticamente nenhuma informação incorreta .
5: Boa leitura com relativamente pouca informação incorreta .
4: Boa leitura com algumas informações incorretas .
3: Mistura de informações corretas e incorretas, mas o suficiente de informações corretas para indicar que a comunicação com o falecido ocorreu.
2: Algumas informações corretas, mas não o suficiente para sugerir além possibilidade de que a comunicação ocorreu.
1: informação ou comunicação Pouco correta.
0: Nenhuma informação ou comunicação correta.

Depois que o resumo de pontuação foi completado para ambas as leituras em um par, os assistentes foram convidados a "Escolha a leitura que parece ser mais aplicável a você. Mesmo que ambas pareçam igualmente aplicáveis ou não-aplicáveis, escolher uma." Eles foram, então, convidados a avaliar a sua escolha em relação à outra de acordo com a seguinte escala:

a. claramente mais aplicável para mim
b . moderadamente mais aplicável para mim
c . apenas ligeiramente mais aplicável para mim
d . ambos pareciam aplicáveis a mim e , na mesma medida
e. nem parecia aplicável a mim

Esperava-se que a classificação binária da escolha forçada seria um indicador menos sensível do que o pareado Resumo das classificações pontuações.

Resultados do experimento

A classificação (0-6) destinada para as leituras (média= 3,56), foi significativamente maior  do que para as leituras de controle (média = 1,94).
Seis dos oito médiuns apresentaram resultados positivos, produzidos na direção prevista (avaliações mais elevadas do que as avaliações de controle); os dois médiuns restantes receberam notas iguais aos escores de controle. Deve-se ressaltar que três médiuns produziram resultados dramáticos em termos de significado de escores de 5.0 e 5.5 (ver Seção de Métodos); duas médiuns produziram resultados moderados (escores sumárias de 3,5), e nenhum dos médiuns produziram inversões (ou seja, avaliações de controle superiores a classificações intencionais).
Quando perguntados sobre qual a leitura era mais aplicável a eles, os assistentes escolheram as leituras que lhes são destinadas 81 % do tempo (13/16, p = 0,01, binomial exata unilateral). Destes 13, sete foram classificadas como "claramente mais aplicável" e três como "moderadamente mais aplicável"; um sitter cada um escolheu as outras três opções (ver Métodos). Dos três assistentes que escolheram o leitura de controle, um escolheu "claramente mais aplicável", um escolheu "moderadamente mais aplicável", e um escolheu " nem parecia aplicável."
                            
Comentários sobre os resultados do estudo

A pontuação significativa e os resultados das escolhas de leitura, bem como o tamanho do efeito médio (a magnitude do efeito independente do tamanho da amostra) e preparação de valor elevado (a probabilidade de replicar o efeito), obtidos no presente estudo, indicam que, sob condições estritas triplo-cegas, utilizando uma escala de avaliação global usada por avaliadores cegos, prova que a recepção anômala de informações pode ser obtida. O projeto triplo-cego elimina com sucesso todas as fontes potenciais conhecidas de pistas sensoriais convencionais e viés avaliador convencional: (a) aos médiuns não foram fornecidas quaisquer pistas sensoriais dos sitters ausentes e estavam cegos para informações sobre os assistentes ou os desencarnados (só o primeiro nome do desencarnado), (b) o experimentador não poderia fornecer pistas, uma vez que  era cego à identidade dos assistentes e dos desencarnados, e (c) os sitters estavam cegos para que par de leituras eram destinadas para eles durante a marcação, garantindo que seus preconceitos influenciariam igualmente as classificações de ambas as leituras. O delineamento experimental também elimina a possibilidade de fraude, na mesma medida que qualquer estudo envolvendo seres humanos: (a) os médiuns e assistentes nunca interagiram de nenhuma forma, (b) os médiuns nunca foram no laboratório, (c) o durante essas leituras, as observações centrais não são inerentemente únicas, pois os presentes achados se estendem a recentes experimentos de mediunidade duplo-cegos, que empregam métodos sensíveis ao processo mediúnico.
            
           No seu livro “A Grande Aliança”, o Dr. Gary Schwartz escreveu sobre um desses estudos duplo-cego com médiuns, realizados por ele, que transcrevemos abaixo:

        “...concebi um teste formal de prova de conceito sobre o paradigma dos dois espíritos com a utilização de dois médiuns e dois espíritos colaboradores. Haveria também vários pesquisadores como eu e vários sujeitos (as pessoas que recebem as sessões), todos em condições de um experimento duplo-cego, ou seja, em que os médiuns e os sujeitos não entram em contato. Realizei essa investigação em caráter privado, com a colaboração de um cientista que também estava investigando particularmente se os médiuns poderiam fornecer  evidências da sobrevivência espiritual de sua filha falecida.
            As duas médiuns que participaram da investigação foram Joan e Mary. Havia dois investigadores: eu em Tucson e um cientista na costa leste, a quem chamarei de doutor Ortega. Os dois espíritos colaboradores eram Suzy Smith e Elizabeth Ortega – nome que vou usar para identificar a filha falecida do Dr.Ortega.
            Eram cinco sujeitos situados em diferentes partes dos Estados Unidos. Todos eram profissionais e meus amigos pessoais. Dois eram mulheres: uma médica e uma terapeuta de luto; e três eram homens: um médico, um assistente social e o presidente de uma pequena fundação. Susy trabalhou com a médium Joan, e Elizabeth, com a médium Mary.
            Na primeira fase da investigação, Susy e Elizabeth vigiaram um dos sujeitos num determinado dia. Joan entrou em contato com Susy para a sessão, e Mary com Elizabeth. Ambas enviaram suas informações por e-mail a um terceiro pesquisador, que as codificou e em seguida as enviou a cada um dos cinco sujeitos, que deveriam verificar se alguma informação se relacionava com eles. Durante cinco dias, cada sujeito foi vigiado duas vezes, uma vez por Elizabeth e outra por Susy. Usando cinco envelopes em ordem aleatória, eu abria um deles num determinado dia e pedia a Susy que visitasse o sujeito nomeado.
            O doutor Ortega tinha um conjunto de envelopes correspondentes, também em ordem aleatória. Ele abria um dos dois num determinado dia e pedia a Elizabeth que visitasse o sujeito nomeado. O doutor Ortega não me deu conhecimento da ordem das visitas determinadas por seus envelopes, e fiz o mesmo em relação aos meus. Como os sujeitos não foram avisados em que dias seriam vigiados, nem por qual espírito, não sabiam dizer quais relatórios entre os dez eram os seus.
            A segunda fase da investigação envolveu o paradigma dos dois espíritos. Susy e Elizabeth, os dois espíritos colaboradores, foram instruídas a levarem até Joan e Mary, respectivamente, a pessoa morta re lacionada a um determinado sujeito, que, mais uma vez, era escolhido aleatoriamente.
            A análise das sessões revelou que o paradigma dos dois espíritos era plausível como protocolo experimental. Efeitos estatisticamente significativos foram obtidos para os dois sujeitos do sexo feminino nas duas fases da investigação, assim como para os espíritos colaboradores e as médiuns. Os resultados dos sujeitos do sexo masculino não revelaram importância estatística, porque as duas médiuns não conseguiram obter informações sobre um dos sujeitos. Em outras palavras, essa incapacidade de leitura foi relatada, independentemente por ambas as médiuns. Curiosamente, esse homem tinha perdido seus entes queridos havia muito tempo, de modo que não sentia mais uma forte necessidade emocional de fazer contato com eles. Exceto em seu caso, os resultados dos dois outros homens foram semelhantes aos das mulheres.”


BIBLIOGRAFIA CONSULTADA:

SCHWARTZ, Gary. A grande aliança: ciência e espiritualidade caminhando juntas. São Paulo: Ed.Vida e Consciência, [2012].

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A evolução espiritual nos mundos materiais e os profetas por RAMATIS

A VISÃO ESPÍRITA DA FAMÍLIA

ESPÍRITOS BARULHENTOS estudo da REVISTA ESPÍRITA de 1859