ESPÍRITOS QUE FICAM PRESOS AO LOCAL ONDE VIVERAM

🔺
#ZibiaGaspareto

Esta história serve para exemplificar aqueles espíritos, até mesmo entes queridos, que possuem certo apego a vida terrena e não partem para um plano mais elevado. São espíritos que habitam nos lares onde muitas vezes nasceram ou nos quais viveram momentos muito bons ou muito ruins.
Encontrei este conto num livro da Zíbia Gasparetto, que dá instruções muito elucidativas para aquelas pessoas que ainda não possuem grande conhecimento da dinâmica do plano espiritual, explicando no final como tais fenômenos podem ocorrer.
Giovane Mastrososa, casado com Rosa, tinha quatro filhos e residia em Luca, na Itália. Ele era marinheiro, ela tomava conta da família. Cansado da miséria em que viviam, tendo ouvido falar muito sobre o Brasil, Giovane resolveu emigrar com a família. Vieram para o Brasil.
Rosa pensava em voltar para a Itália quando a situação do país melhorasse, mas isso nunca aconteceu. Foram para Minas Gerais, compraram um pedaço de terra e construíram sua vida. Aos poucos, começaram a amar este país, desistiram de voltar. Os filhos foram crescendo, casando e morando todos ao lado dos pais.
Giovane desencarnou, mas a nona Rosa, como era carinhosamente chamada por todos, continuou comandando a família. Mudaram-se todos para São Paulo. Nona Rosa, já com 86 anos, lúcida, usando um avental, passava horas sentada ao lado do fogão, pitando o cigarrinho de palha que ela mesma fazia, tendo ao lado uma latinha, forrada com um pedaço de jornal, a qual, religiosamente de hora em hora, ela cuspia dentro.
Morreu muito idosa, depois de todos os seus filhos já haverem desencarnado, só ficando seus netos e bisnetos.
Seu neto Bruno era um dos herdeiros e alugou a casa da família por vinte anos entrando em acordo com os demais.

Um dia ele resolveu demolir a casa que já estava muito velha para construir uma nova.
Começou a demolição, e numa tarde, Rosana, filha de Bruno, foi visitá-lo nas ruínas, levando sua filhinha de dois anos, que se chamava Bruna.

Entraram nas ruínas e Rosana procurou desviar dos entulhos e chegar até onde seu pai estava quando viu a pequena Bruna acenar com a mão e dizer:
— Oi, nona!
Rosana pensou não ter ouvido bem e continuou procurando chegar até o pai. Conversaram algum tempo e quando ela chamou a filha para ir embora viu que a menina olhou para o lugar onde a nona costumava sentar-se, ao lado do fogão, e acenou alegre dizendo:
— Tchau, nona!
Rosana ficou arrepiada. Foi para casa e comentou com sua mãe e as duas resolveram perguntar para Bruna:
— Para quem você acenou lá na casa do vovô?
— Para a nona Rosa. Ela estava fumando e cuspindo em uma latinha!

Explicação da Zíbia Gasparetto para tal fenomenologia:
As crianças têm muita facilidade de perceber a presença de seres do mundo astral. Nos primeiros sete anos de vida ainda estão muito ligadas ao mundo espiritual. Contudo, conforme vão crescendo, essa percepção vai desaparecendo.
É comum as narrativas infantis de seres que elas vêem, de amiguinhos que ninguém mais vê e com os quais elas brincam com naturalidade. Os adultos dizem que tudo não passa de fantasia, mas diante do caso de Bruna, quem se atreveria a dizer isso?Bruna nasceu depois de a nona ter desencarnado. O fato de a menina reconhecer a nona Rosa pode ter sido por causa de alguma foto que ela tinha visto. São comuns as pessoas da família conservar fotos antigas nas paredes e mostrarem às crianças dizendo quem foi.
Bruna pode ter reconhecido a nona assim. Esse ponto não foi esclarecido por quem relatou o caso. Mas se ninguém lhe mostrou nenhuma foto, ela pode ter conhecido a nona Rosa no astral, antes de reencarnar. Bruna também poderia ter conhecido a nona em outra encarnação.
O mais importante é que uma criança de apenas dois anos, nunca teria como inventar uma história dessas.
Quanto à nona, após a morte do corpo físico, pode ter continuado a viver ali, junto das pessoas da família, no lugar a que se habituara por tantos anos, fazendo o que fazia antes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A evolução espiritual nos mundos materiais e os profetas por RAMATIS

A VISÃO ESPÍRITA DA FAMÍLIA

ESPÍRITOS BARULHENTOS estudo da REVISTA ESPÍRITA de 1859